segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Da idade

Ontem eu fiz 22 anos e tanta coisa mudou desde os meus 21 anos.
         Hoje eu sou professora. Sim, quando me perguntam a profissão eu já posso dizer: eu sou professora. E, apesar da desvalorização dessa profissão, ela ainda tem o seu glamour intelectual. A melhor parte é quando perguntam "Professora de quê? ", eu respondo "De francês" e os olhinhos de todos brilham "Tu fala francês? Que legal!".
         Não sei se vai ser esse o meu caminho -  ser professora - mas por enquanto não está insuportável. Na verdade até o momento de eu entrar em sala de aula é uma tristezinha, porque eu percebo "Porra, sou professora, ganho pouco e trabalho muita hora extra sem ganhar nada." Mas depois , quando eu entro para dar aula de francês, tudo parece legal e divertido e eu me sinto bem e isso é bom.
        Comecei a fazer os estágios finais obrigatórios do meu curso e estou começando a criar a certeza de não querer nunca na vida trabalhar em uma escola pública. Nada funciona direito. Os alunos não funcionam direito. E, mesmo eu querendo mudar as coisa com cartazes coloridos, na outra semana os cartazes são arrancados das paredes e somem. E só me dá tristeza ter que entrar na escola e ver tudo em volta. Menos os alunos: os alunos são divertidos, apesar de não quererem fazer nada. Mas acho que o culpado ali não são eles, é todo esse sistema que leva eles a serem assim, toda a falta de investimento em infraestrutura e em professores. O meio transforma as pessoas.
         To pensando em fazer mestrado já, sem nem ter feito o TCC e nem saber o tema direito. Quero fazer em informática/computação. Por quê? Porque hoje eu trabalho como professora e passo a maior parte do meu tempo em frente à um computador planejando as atividades e as aulas. Sinceramente, não sei como vivem os professores , hoje em dia, que não sabem usar um computador. Hoje, a tecnologia não é mais um mecanismo, uma ferramenta, ela é a extensão do nosso conhecimento. A tecnologia não é uma maneira de ensinar, ela está extremamente interligada a todos os passos e ações do meu eu professora na sala de aula, ela é uma extensão do meu conhecimento como professora, uma ferramenta que se tornou parte de mim e do que eu faço da vida. Queria poder mostrar e dissertar sobre essa importância e como é maravilhoso e mais fácil um mundo onde a educação e a tecnologia andam sempre juntas e interligadas, uma dependendo da outra.
         Em julho desse ano, eu fui para a França com tudo pago pela minha universidade. Foi uma experiência incrível que mudou a minha vida e me fez crer que sim, a vida pode mudar e sim, não é tão difícil assim. Fique um mês descobrindo muita coisa que pensei que nunca descobriria antes de me formar. Foi inimaginável isso tudo! Também fui para o Rio de Janeiro, para um congresso de professores de francês, fiquei 10 dias lá e foi maravilhoso. Praia é praia. Tenho certeza que metade dos europeus trocariam tudo para vir morar no Rio. E Paris, d'après moi, não chega aos pés de Copacana e daquele mar fantástico.
      E, como já era de se esperar o meu cabelo também mudou , estou cada vez mais loira e acho que essa cor realmente combina comigo. Todos falam que sim e eu me acho bonita.
       E, como também já era de se esperar, continuo namorando o Fabrízio e, apesar das brigas recorrentes, continuo me sentindo bem e feliz do lado dele.
       E vamos ver no que dá, com 23 anos terão acontecido tantas coisas boas como nesse ano?


Nenhum comentário: