domingo, 15 de janeiro de 2012

a minha morte

Angústia trancada na garganta.
Bola de pelos eterna.
Liquidificadores no estômago misturando comidas com mágoas. Anseios. Medos escondidos atrás de unhas pintadas de rosa envelhecido. Infelicidade. Anestesia. Indiferente. Tristeza. Sendo esfaqueada pela minha mente, no coração porque é pra matar. Palavras que sufocam por dias. O que dói mais é não ter o apoio necessário.Ter que se virar sozinha, Morrer sozinha. O guarda-chuva tá ao contrário e está cheio de lágrimas, ele vai rasgar e vai cair tudo na minha cabeça. Vai doer tanto que eu não vou suportar. Fraqueza. Tem gente que nasce pra não viver .

Nenhum comentário: