sábado, 3 de abril de 2010

Poesia;

Covardia Poética

Não reclama,
Não briga,
só comente do seu dia,
da sua vida sem graça.

Não quero brigar com você,
não tenho tempo para isso - não quero ter tempo.

Faça como um jovem burguês,
dê-me presentes e elogios,
mas não brigue para que eu mude,
porque eu não vou.

Não quero mudar,
não mude você também.

Não sei se vou aguentar
alguns dias,alguns meses,
vai desgastar;
sou chama de vela e a cera vai derreter toda
até acabar e apagar o fogo.
Não quero que termine assim.
Quero que termine
E, se aguentarmos,
continue quando for a hora.

Um comentário:

Junie Nunes de Souza disse...

Que belo poema, Yádini! Há algo muito especial em você que se pode sentir através das suas palavras...