quinta-feira, 8 de abril de 2010

Poema.

Sem Voz

Eu estou tremendo
e já faz três dias
desde que o susto foi dado.

Dói mais por eu não sentir nenhuma dor,
nada que eu possa me esconder atrás,
está tudo perfeitamente funcionando
que tenho que quebrar algumas peças,
desencaixar, mau contato, queimar.

Pegam fogo as minhas palavras,
meus suspiros me desmoronam,
não me sinto bem aqui.

Socorro. Três vezes.

Fujo o olhar para o chão,
corro sem olhar pra trás,
sem me comunicar.

Eu só queria poder aceitar,
não estar assim.
Eu não quero estar assim.
Me tira daqui.

Socorro. Não tenho mais voz.

Nenhum comentário: