sábado, 12 de setembro de 2009

As três mulheres da UFRGS 2009

Em época de vestibular, nada é mais importante que as leituras obrigatórias, - em termos literários, obviamente- sendo assim, me obrigo a lê-las e, claro, comentá-las. Entre as 12 leituras, três me chamaram a atenção por uma pequena semelhança: ter uma mulher como centro da história. Porém, fora isso, são estórias e mulheres completamente diferentes, cada uma com as suas qualidades e defeitos, e vale a pena compará-las.

Em Lucíola, romance urbano de José de Alencar, tem Maria da Glória, conhecida ao longo do romance por Lúcia, uma cortesã de alto nível que mora no Rio de Janeiro. Apesar da profissão, ela tem princípios, e até passa a imagem de uma mulher de respeito. Lúcia é intensa, verdadeira e, como diz Alencar, 'pura de alma', pois nunca tinha se apaixonado antes. Teve um infância/adolescência muito sofrida, a qual a fez virar prostituta. Ao longo do romance, Lúcia se doa completamente ao seu amor, Paulo, que se aproveita da situação e faz ela de 'gato e sapato', apesar disso Lúcia não se rebela, não fica zangada, apenas aceita, passando a imagem de mulher mais pura da literatura. Todo o dinheiro que ela conseguia de seus 'trabalhos' enviava para a sua irmã menor que estava num internato e sonhava em viver com ela mais tarde, o que acaba se concretizando. Ao final, Lúcia morre tragicamente, por uma infecção causada por um aborto não expelido; ela passa uma impressão de desistência no final de sua vida, apesar disso, grande mulher. Uma perda inestimável para a literatura.

Contrapondo-se a isso, do romance O Primo Basílio, de Eça de Queirós, que ocorre no subúrbio de Lisboa, aparece Luísa, o retrato perfeito da burguesinha sem cérebro do século XIX, pois o seu mundo se restringe apenas aos romances que lê. Acaba traindo seu marido Jorge com seu primo, que tivera um romance na adolescência, e acaba idealizando o adultério, pensando que estivesse dentro de um de seus romances. Basílio só a usa, só quer transar com ela– sim meninas, como a maioria dos homens. Acaba 'sofrendo' nas mãos de sua empregada que descobre o caso dos dois. Totalmente alienada, só vive das relações pessoais dela, das fofocas dos vizinhos, de seus livros bestas. Ao final, acaba morrendo também, pois seu marido descobre e ela fica doente com isso, mesmo ele a perdoando, mais uma prova de sua inutilidade. Infantil e besta, sua morte foi uma bênção, o mundo se torna-se melhor sem pessoas como ela.

Não fugindo muito dessa alienação, aparece Clara Vitória, do romance Concerto Campestre, de Assis Brasil, uma menina simples e normal de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul. Sua vida é pacata, sem nenhuma emoção, até o momento que surge o Maestro, um homem mestiço, e por isso destaca-se e encanta Clara, e, obviamente, isso é recíproco. Clara não tem nenhuma personalidade, nenhuma emoção, nada que faça amá-la ou odiá-la. Os dois vivem uma história de amor simples, com direito a escapadas no meio da noite e a gravidez indesejada. Ela é expulsa de casa pelo pai ( ó, que inovador) e passa a viver n'uma casinha no meio do mato fechado, onde mostra a sua força como mulher, fazendo de tudo para sobreviver e garantir que seu filho também sobreviva. Diferente de Luísa, Clara se mostra uma mulher forte ao final do romance, não desistindo e lutando pela vida e, talvez por isso, a única que sobrevive das três. Clara Vitória renasce e prova que finais não precisam terminar sempre iguais.

Apesar de grandes diferenças, são mulheres que deixaram a sua marca na Literatura Brasileira, seja ela boa ou ruim. Recomendo os três livros, principalmente para as meninas que gostam de romances trágicos e românticos. Fica a dica!

Até a próxima, galera.

Da sua correspondente, Diny.

5 comentários:

Lady Beat disse...

A Clara tenta descobrir o tamanho do pipu do maestro! :x /hihihi~

Jade disse...

não só tenta né Bia...
boa comparação entre as três, mas não acho a Clara tão sem sal.

quero só ver se vou conseguir ler todas que faltam pra mim -.-

Animal disse...

Diny,

brilha muito na UFRGS !!!!


Bjo !!


E dá-lhe rock'n'roll !!!!!!

Caio Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Caio Lima disse...

Legal o se blog. Muito bom os textos. A descrição de Lucíola é perfeita!!

Vou add o seu blog ao meu. Penso que mais pessoas devem conhecer os seus textos!!... rsrs

Abraços e sucesso.