sábado, 1 de agosto de 2009

Amor e Alienação

As vezes eu fico pensando se vale a pena estudar tanto p'ra morrer de uma hora p'ra outra. Não seria mais feliz eu vivendo numa casinha simples, com filhos e flores. Mais fácil seria, mas alienada teria de ser, pois sabendo tudo o que eu sei hoje em dia se torna impossível ignorar o resto do mundo - apesar de que, as vezes, me dá vontade de me isolar n'um casulo. Outra coisa que me vem a cabeça é que eu nunca vou conseguir me apaixonar completamente o resto da vida, tipo achar 'o amor da minha vida' parece surreal, como se só acontecesse em filmes. Eu não creio que alguém possa me amar mais que a si próprio, eu nem mereço isso, é muito compromisso. E eu sou muito desconfiadacom tudo: será que ele fala sério quando diz que gosta de mim ou é só pra folgar e rir de mim com os amigos depois? Tri neurose, mas neurose guardada, ninguém fica sabendo. Amor e alienação parecem combinar tanto, muitas vezes eu confundo os dois, até porque quando tu está amando tu te aliena um pouco do mundo e te fixa na pessoa; eles são perfeitos juntos e parece que um não existe sem o outro. Logo, não posso amar, pois não possome alienar; muito radical, mas parece que os meus objetivos se dissiparão se surgir uma pessoa pela qual eu dê a vida. Tá, eu não sou muito normal, nem meus conceitos são, mas essa é a mais pura eu.

Um comentário:

Guerreiro Revolucionário disse...

Bom texto companheira!Imagino que andas passando por alguns dilemas,e tem um coração enorme.Porém não podemos esquecer que o amor conjugal, não é a única forma de amor, podemos praticar o Amor PELO mundo PELA humanidade, sem deixar de praticar os outros. Não te preocupa guria
aconteça o que acontecer, não perde esse teu ideal... isso vale muito!
Abraços e Beijos!