quinta-feira, 16 de julho de 2009

De canto.


Apesar d'eu parecer estar,
eu não estou, nem sou
o que tu vê, não sinto
calor, nem amor.
Pedra.
Dura.
Fria.
Eu moro muito longe,
nada aqui por perto,
fica no meio do azul
escuro, negro.
É tão fácil desaparecer,
tudo acabar; desintegrar.
Pega um massa,
algumas velocidades da luz,
e tá feito.
Esquece, esquece.
Desaparece.

Nenhum comentário: