quarta-feira, 20 de maio de 2009

Estrelas e Faróis

Ora (direis) ouvir estrelas! - Olavo Bilac


"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto ...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas."



Ninguém mais percebe as estrelas, só os faróis de carro.
Ninguém conversa, nem pensa, nem sente.
Não vejo o infinito à algum tempo,
vejo só outdoors, letreiros piscantes.

Nunca mais quero sentir,
que tudo foi por água abaixo.
Tão simples. Mas vou.

2 comentários:

Jade disse...

Lindo o poema. Acho que nunca tinha lido, ou, se tinha lido, nunca tinha prestado atenção.

Vinne Caetano disse...

Tem coisas que nunca mudam.
Bom gosto tu ainda tem!

Beijão