quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Sementes



Caro amigo semeador, que conforta-se com amor,

não vás tão longe em caminhos desconhecidos,

não se apegue aos cheiros da flor cor de vinho,

volte sempre o seu olhar, que distante está, na colheita,

pois o que plantas, colherá.



Não plantaste esse mês, hoje nada ganhará.

Essas moças que sopram com o vento, esses beijos desfalecidos,

te guiam ao teu caminho e é só ele que lhe resta.



A plantação terminou,

não chores, semeador, o alecrim que se plantou,

nasce hoje e forte vive, sem que nada lhe impeça,

de dar ao senhor, tudo isso que lhe exige.



Em fábricas terminaste, pobres dias da tua vida,

e o quanto choraste quando já nada podias.

Tudo se acalmará e verás

que se as sementes forem boas, bons frutos hão de dar.

Yádini Winter

2 comentários:

Henrique Umpierre disse...

Ah, sempre gostei de ler o que tu escreves. Muito bem abordadas as sementes ;)
Pelo jeito, só eu tenho vindo aqui o.O
Dá uma passadinha pelo Paperback, atualizei há pouco ^^

;**

Henrique Umpierre disse...

Ah, eu tive que voltar e fazer outro comentário.
Teu livro preferido é do PAULO COELHO?!
Ah nããããão \o>

Beijo ;*