quarta-feira, 15 de agosto de 2007

doce veneno




Doce Veneno


Noite gela de outono, minhas mãos tremiam envoltas em seu corpo límpido, branco e puro. Uma donzela, uma deusa, soberanda desta terra e além dela. Eu vestia uma capa negra como a noite, como um corvo, e botas totalmente embarradas. Ela suspirava, como se estivesse pedindo socorro, como se sua vida estivesse acabando.

Abracei-a, fortemente, com os meus braços fracos. Sentia meu sangue ferver como vinho quente, eu sabia que isso tudo podia ser inútil, que a qualquer momento aquilo poderia acabar; eu sentia isso. Mas eu não podia desistir dela, de levá-la para casa e cuidar de cada ferimento e cada marca de seu corpo machucado. Eu tinha de fazer isso, era o meu dever, o meu destino.

A encobri com a minha capa negra, peguei-a no colo e levei-a para o abrigo mais próximo, um antigo santuário meio abandonado, perto dos túmulos maiores. Coloquei aquele corpo gélido sob o altar, e, me vi observando cada detalhe e cada curva daquele anjo mau, toda aquela delicadeza e pureza escondida sob a seda branca do seu vestido. Beijei-a, delicadamente. Senti-me vivo! como nunca havia me sentido anteriormente. O sangue corria nas minhas veias cada vez mais rápido e meu coração parecia que iria saltar do meu peito, doce veneno.

Passei a mão em seus cabelos ruivos e fogosos, como o pôr-do-sol no lago da antiga Helville; eles eram extremamentes longos e encaracolados. Seu pescoço era a mais bela das partes, lívido e albino, me aproximei do mesmo. Ela começava a retornar a cosciência, mas antes que isso viesse a acontecer: mordi. Sangue vermelho, puro e quente, escorriam entre meus lábios saciados, brindavam a morte e fazia o amor. Me feriam e me curavam. Doce veneno, doce Vampiro.


Yádini Winter (texto feito para a aula de literatura)

6 comentários:

depósito de Idéias disse...

"Regere vitae, Regere veritaten est..."

Muito bom, minha guria. Acho que deverias ler algo sobre Anne Rice, talvez algo de Vampiro: A Máscara.

Acho que tem um toque de romantismo, mas quem sou eu pra opinar?

=*

Fabrízio K. C. disse...

A máscara é chato pra ti, é rpg.

^^

muito bom o texto, só alguns errinhos e tal, mas deu um ar bem como tu quis passar
;@@@

Ana Luiza disse...

Bem,apesar de não apreciar histórias vampirescas,meu filme preferido é o Dracula,dirigdo pelo Bran Stroker;aquele com a Wynona Ryder,Keanu Reeves,é de 92 se não me engano.Se não assistiu,alugue."Eu atravessei oceanos de tempo para encontrar você".Essa frase é do filme e eu nunca esqueci.
Vc citou a cabeleira ruiva da menina,e eu como ruiva tenho que falar,rs,existem relatos de que na idade média o cabelo vermelho era considerado uma "coisa do demo"_mas são só especulações,eu pelo menos nunca li algo mais a fundo_;ao mesmo tempo que o cabelo ruivo é característico de alguns reis ,e claro,vermelho é op tecido da realeza.E obviamente,vermelho é a cor do sangue,e o sangue é a vida.Ou seja,usou isso de propósito,né?rs
Beijo!

Laís disse...

Percebi um plágio aí!!
hsaushaauhsauahusahsauhsa

tá, parei.

Texto forte.gostei
^^

Jade disse...

bohhh muito bom o texto!!

Indescritível disse...

Gostei. :)